Oficina Marques
 

A Natureza da Margem

Sempre existirão assuntos marginais para as sociedades. A sexualidade e o corpo humano são ainda temas disruptivos para uma determinada sociedade heteronormativa e normalizadora, de igual forma temos a natureza selvagem em ruptura e transgressão com um ideal de natureza normalizada.

O exponencial processo de urbanização do planeta denuncia uma certa vontade humana de dominar a natureza. A natureza não organizada convertida em jardins arquitectados por humanos, assim como o faz com a sexualidade, controlando a suas dimensões ocultas.

A Natureza da Margem é uma viagem colectiva a um mundo oculto regido pela sexualidade e a natureza, as obras de cada artista são testemunhos individuais dessa incursão misteriosa. Guiamos os visitantes por um gabinete de curiosidades que descreve e classifica esse ambiente através do conjunto multidisciplinar de obras.

Frederico Pompeu ilustra-nos um mundo botânico fantástico, trazendo consigo alguns desses espécimes exóticos. Com registo fotográfico analógico Pedro Ivan dá-nos a ver corpos humanos através de uma radiografia botânica, num jogo de fusão entre corpos humanos e flora criando figuras míticas. Entidades de todas as formas desfrutam desde mundo, Gezo Marques esculpe-nos corpos de madeira que emergem da densa vegetação, Margarida Oliveira utiliza a azulejaria numa interessante abordagem sobre o corpo feminino, José Gonçalves com as suas colagens conta histórias de prazer e com o registo vídeo de Tales Frey somos transportados para rituais onde o corpo entra em diálogo com o meio ambiente. Bete Marques mostra o coração desse mundo vegetal fabricando jardins em madeira e Rita Feliciano constrói com tecido uma figura humana da qual brota uma natureza luxuriante.

Margem é tão-somente uma miragem, afinal percebemos que este é um mundo que se faz de corpos humanos em diálogo com essa ideia utópica de uma natureza primitiva, porque é em corpos que vivemos, somos e nos relacionamos com o mundo, é em corpos que temos prazer e fé.

 
 
Oficina Marques Exposição Natureza da margem (1).jpg
Oficina Marques Exposição Natureza da margem (4).jpg
Oficina Marques Exposição Natureza da margem (2).jpg
 

Curadoria de José Aparício Gonçalves

“Com vontade de trabalhar os temas-chave da sexualidade e da natureza dentro da abordagem do movimento Queer, propus fazer uma exposição colectiva inserida na programação do 20º Festival Queer Lisboa, decidindo reunir uma colectiva de artistas com o objectivo de contribuírem para a reflexão conjunta sobre esses temas e desenvolver uma materialização para esse universo.

É ainda de destacar a dupla inscrição que faço neste trabalho, se por um lado participo como artista por outro apresento-me como curador desta exposição, reflectindo por isso sobre o próprio papel do artista que navega entre a criação e a curadoria. Enquanto curador, e de acordo com a filosofia expositiva da Oficina Irmãos Marques, a minha proposta vai no sentido de produzir uma exposição total, a exposição enquanto modo de ver, onde as obras assumidamente dialogam entre si e com o espaço expositivo, considerando que o espaço se configura em si como emissor de mensagens e ideias.

Ao transcender a dimensão exclusivamente expositiva as obras expostas concretizam-se como discursos/testemunhos individuais nesse grande texto colectivo que pode ser uma exposição de arte. Move-me o impulso artístico e a crença da importância da arte e sua capacidade de se infiltrar na vida das pessoas, numa perspectiva em que a arte e o belo devem fazer parte da vida quotidiana de todos, lembrando sempre o seu poder transformador, porque considero que ela ajuda a produzirmos visualizações identitárias sobre nós próprios.”

 
Oficina Marques Exposição Natureza da margem (17).jpg
Oficina Marques Exposição Natureza da margem 3 (27).jpg
Oficina Marques Exposição Natureza da margem (20).jpg
Oficina Marques Exposição Natureza da margem (10).jpg